Neurocirurgião fala na TV Assembleia sobre sintomas e tratamentos da fibromialgia

O programa ‘Café com Notícias’ desta segunda-feira (22), na TV Assembleia, recebeu o neurocirurgião Jairo Angelos, que falou sobre a fibromialgia, doença reumatológica que não tem cura e afeta a musculatura causando dor.

“Infelizmente, a medicina ainda não descobriu uma cura para essa doença, porque a gente não sabe exatamente como ela começa, qual a causa específica.  Por isso, há apenas tratamentos para os sintomas que o paciente apresenta”, observou Jairo.

Segundo o médico, o diagnóstico é feito através dos sintomas da doença. Entre eles, dor, fadiga, indisposição, alteração do sono, distúrbios intestinais e outros. Feito isso, esses sintomas são tratados baseados em evidências científicas existentes.

Jairo Angelos destacou que muitos dos pacientes com fibromialgia desenvolvem depressão e ansiedade. O médico reforçou que, apesar de ser uma doença mais comum em mulheres, independentemente da faixa etária, também acomete homens.

Sobre o tratamento, o neurocirurgião explicou que a prática de atividades físicas é a principal recomendação, além dos medicamentos para a dor. Atividades como hidroterapia e fisioterapia, segundo ele, são excelentes opções para o controle da doença.

“A fibromialgia é uma doença que não é de um profissional só, precisa do acompanhamento de um médico de dor, seja neurologista ou reumatologista, que vai fazer o diagnóstico, mas o paciente precisa do acompanhamento de um fisioterapeuta e, às vezes, se faz necessário o acompanhamento psicológico. Essa questão psicológica do paciente não pode ser deixada de lado. Se tratarmos apenas a dor, e não tratarmos o emocional junto, não haverá melhora”, ressaltou.

O tratamento da doença é permanente, por não haver cura, e essencial para amenizar os sintomas e permitir que o paciente tenha uma melhora na qualidade de vida.

O ‘Café com Notícias’ tem apresentação da jornalista Elda Borges e é exibido de segunda a sexta-feira, às 9h, na TV Assembleia (canal aberto digital 9.2; Maxx TV, canal17; e Sky, canal 309).

Psiquiatra aborda cuidados com a saúde mental em entrevista à Rádio Assembleia

O psiquiatra Williams Cantanhede conversa com o jornalista Ronald Segundo, no programa ‘Em Discussão’

O programa ‘Em Discussão’, da Rádio Assembleia (96.9 FM), recebeu na sexta-feira (19) o psiquiatra e coordenador do Centro de Neuromodulação por Estimulação Magnética Transcraniana (EMT), do Hospital Nina Rodrigues, Williams Cantanhede. A conversa, conduzida pelo jornalista Ronald Segundo, abordou sobre os cuidados com a saúde mental.

“Estamos no Janeiro Branco, mês de conscientização da saúde mental e emocional. É importante ressaltar que a saúde mental implica muito mais que a ausência de doenças mentais. Elas podem ser causadas por uma série de fatores, como genética, estresse, abuso de substâncias e traumas. Nesse rol entram também os transtornos de humor, esquizofrenia e o transtorno bipolar”, explicou o psiquiatra.

O coordenador destacou que a pandemia da Covid-19 reforçou a importância de cuidar da saúde mental. “A pandemia não só mostrou o quanto somos seres extremamente frágeis e sensíveis, como também escancarou algo que a humanidade sempre negligenciou, jogando para debaixo do tapete ou, ainda, ridicularizando: a importância da saúde mental e a necessidade de falarmos sobre isso”, disse.

O psiquiatra ressaltou que a pandemia evidenciou que a saúde mental é tão importante quanto a física. Talvez, seja até mais, pois se a mente não estiver sã, o corpo também não estará.

Ainda durante a conversa com o jornalista Ronald Segundo, Williams Cantanhede falou sobre o Centro de Neuromodulação e ambulatórios especializados do Hospital Nina Rodrigues e os avanços da assistência em saúde mental no Maranhão.

“A neuromodulação pode ser definida como a alteração da atividade dos nervos, por meio de estímulos direcionados a áreas neurológicas específicas do organismo. Em outras palavras, é como se estivéssemos dando um “empurrãozinho” para a atividade dos nervos funcionar adequadamente por meio de estímulos em áreas específicas do corpo. Por meio da neuromodulação, é possível restaurar funções ou diminuir sintomas que possuem uma base ou influência neurológica”, explicou.

Ainda de acordo com o psiquiatra, atualmente, existem diversas técnicas de neuromodulação que auxiliam pacientes com problemas que não podem ser tratados por meio de medicamentos ou cirurgias.

“Por agir no sistema nervoso, a neuromodulação pode ser usada para tratar uma infinidade de problemas neurológicos e psiquiátricos, sendo que sua indicação depende muito da técnica utilizada e das necessidades do paciente”, disse.

Por fim, ele disse que o tratamento com Neuromodulação é disponibilizado pelo SUS no Hospital Nina Rodrigues. “Para o tratamento de pessoas com transtornos mentais graves e outras condições, foi criado o Centro de Neuromodulação, bem como os novos Ambulatórios Especializados, do Hospital Nina Rodrigues (HNR), em São Luís, que atendem pacientes assistidos pela unidade da rede da Secretaria de Estado da Saúde (SES)”, frisou.

Sílvia Leite destaca trabalho de acolhimento realizado pela rede de apoio SAEEM

Os 10 anos do Setor de Atividades Especiais Espaço Mulher (SAEEM), rede de apoio que visa salvar vidas, foram destacados pelo programa ‘Toda Mulher’, desta quarta-feira (10), na TV Assembleia. A conversa foi com a assistente social Silvia Leite, criadora da rede e mestre, pós-graduada em Sociologia e uma das fundadoras do Centro de Cultura Negra do Maranhão.

O espaço faz o acolhimento a mulheres vítimas de violência que têm atendimento de emergência em unidades hospitalares, como o Socorrão. Tudo começou quando a assistente social percebeu que o histórico de vida das mulheres que davam entrada nos hospitais, vítimas de violência doméstica, não ficava registrado.

“Aí foi que veio o start de pensar numa metodologia que envolvesse o SUS, a política de humanização. O que nós fizemos? Pegamos as diretrizes e princípios do SUS, da política de humanização e o princípio do plano de política para as mulheres. Juntamos para sair uma metodologia: a do acolhimento, com essa visão da mulher não só do plano físico, mas também da subjetividade que a levou para lá”, detalhou.

Segundo ela, só no primeiro ano, em 2013, foram atendidas 47 mulheres, um número bastante expressivo. Já em 2014, foram mais de 140. “A gente foi numa outra perspectiva que não era só cuidar do ferimento físico, mas era cuidar de um ferimento na alma, nas relações, nos sentimentos”, destacou.

A iniciativa, segundo Silvia Leite ressaltou, também esclarece sobre direitos e garantias delas. “As mulheres vão a um hospital para cuidar do ferimento, mas não para saber que ela tem direito a uma medida, direito a ser assistida, a abrigamento. Muitas das vezes, as mulheres não sabem que têm esses direitos para sair de uma de um relacionamento abusivo”, observou.

Silvia Leite destacou também a busca por formalizar direitos, como no caso da conexão com a deputada Daniella (PSB), procuradora da Mulher da Assembleia e autora da Lei nº 11.352, de 2 de outubro de 2020, que dispõe sobre a obrigatoriedade de dar ampla divulgação à Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (Disque 180), nos edifícios e condomínios residenciais do Maranhão.

A rede, de acordo com a assistente social, vem cumprindo seu papel e vem alcançando objetivos por meio da articulação com a Casa da Mulher Brasileira e outros órgãos. “A gente faz muita palestra nas escolas em terreiros, igrejas e universidades para despertar essa consciência do cuidado”, disse.

E complementou: “Nós fizemos o nosso relatório de 2023 e fiquei feliz de ver que o atendimento de vítima foi menor do que 2022, e menor do que 2021. Significa dizer que menos mulheres foram para o hospital vítima de violência”. O programa ‘Toda Mulher’ é apresentado pela jornalista Márcia Carvalho e é exibido às quartas-feiras, sempre às 15h, na TV Assembleia (canal aberto digital 9.2; Maxx TV, canal 17; e Sky, canal 309).

Abdias do Nascimento terá o seu nome inscrito no Livro dos Heróis da Pátria

Abdias do Nascimento é inserido como Herói da Pátria mediante lei publicada no Diário Oficial da União

Um dos maiores ativistas do movimento negro no Brasil, Abdias do Nascimento terá o seu nome inscrito no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. A Lei nº 14.800/2024, que estabelece a homenagem no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília, foi publicada, nesta terça-feira (9), no Diário Oficial da União.

Paulista, nascido em Franca em 1914, neto de africanos escravizados, Abdias do Nascimento foi um intelectual responsável por pensar, debater e difundir a cultura africana e o combate ao racismo, em diferentes linguagens, como escritor, ator, artista visual, professor e político.

Considerado um dos maiores expoentes da cultura negra no século 20, ele foi responsável por criar o Teatro Experimental do Negro (TEN), companhia teatral formada por operários, empregadas domésticas e trabalhadores sem formação, que teve início em 1944 e chegou a ter um programa televisivo na extinta TV Tupi, com temáticas sobre cidadania e conscientização racial.

Neste contexto, Abdias também desenvolveu o projeto do Museu da Arte Negra (MAN), que abriu sua exposição inaugural, no Museu de Imagem e do Som do Rio de Janeiro, em 1968, mesmo ano em que o intelectual partiu para o exílio nos Estados Unidos. Foi professor emérito de culturas africanas no Novo Mundo, na Universidade de Nova York e atuou em outras universidades norte-americanas.

Quando Abdias voltou ao Brasil, após 13 anos de afastamento durante o regime autoritário, fundou o Instituto de Pesquisa e Estudos Afro-Brasileiros. Participou da fundação do Movimento Negro Unificado contra o Racismo e a Discriminação Racial e ajudou a criar o Memorial Zumbi.

Foi consultor da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), deputado federal e senador. Morreu aos 97 anos, em 2011, e teve suas cinzas depositadas na Serra da Barriga, em Alagoas, onde existiu a República dos Palmares.

Com a inscrição de seu nome no, também chamado Livro de Aço, Abdias recebe o mesmo título de Herói da Pátria dado ao líder quilombola Zumbi dos Palmares.

Mestre Bebeto e os 40 anos do Bloco Akomabu

Cedo demais para esquecer: Um jovem músico maranhense, chamado José Roberto Santos Pereira, o Mestre Bebeto, foi a grande estrela do Bloco Akomabu no Carnaval de 1987. Neste ano, aconteceu uma inovação: pela primeira vez, o ritual de bênção do bloco aconteceu em frente à tradicional Casa das Minas, na Rua de São Pantaleão.

Foi a época em que, mais diretamente, os fluidos positivos dos voduns e orixás passaram a atingir todos os integrantes do bloco. O estandarte que o Akomabu levou às ruas foi concebido pelo brilhante artista plástico Guilherme Mendes Ferreira que hoje, aos 80 anos de idade, vive injustamente como um anônimo morador de São Luís.

O estandarte foi concebido em louvor a Mãe Dudu, a então chefe da também tradicional Casa de Nagô, na Rua das Crioulas. Em novembro de 1986, Mãe Dudu completara 100 anos de idade.

Foi logo nos primeiros dias de janeiro de 1987 que o ritmista José Roberto Santos Pereira, o Mestre Bebeto, assumiu o comando da bateria do Bloco Akomabu, em substituição a Iguarajara Costa Santos, o precoce Mestre Guará, que ainda era adolescente.

Mestre Bebeto deu início aos ensaios do bloco com o auxílio de Robson Pinto e do próprio Iguarajara, que permanecera firme e forte na bateria. E foi assim que, indicado pela então diretoria do Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN), Mestre Bebeto, muito jovem ainda (ele tinha apenas 24 anos de idade), assumiu um dos maiores desafios de sua vida.

Com todo vigor de sua juventude e com um imenso entusiasmo, Mestre Bebeto assumiu a regência da bateria do Akomabu com 22 atabaques, 18 agogôs, 10 cabaças e três ganzás. Foi com esse arsenal de guerra que o bloco saiu às ruas naquele memorável Carnaval de 1987.

Importante lembrar: Bebeto foi integrante da banda musical da antiga Escola Técnica Federal do Maranhão (ETFM), hoje Instituto Federal de Educação (Cefet), que funciona na Avenida Getúlio Vargas, no Monte Castelo.

Mestre Bebeto, que fizera o Curso de Eletromecânica na Escola Técnica Federal, foi durante cinco anos mestre da bateria do bloco organizado Unidos do Retiro de Natal (Retirão) e, durante estes cinco anos, o bloco segurou nota dez, no item bateria, sagrando-se campeão do Carnaval maranhense, no ano de 1980, na categoria dos blocos organizados.

Mestre Bebeto, que sabia tocar tambor de mina, mas gostava mesmo só de apreciar, também toca treme-treme, atabaque, agogô, cabaça, pandeiro, tarol e outros instrumentos.

Portanto, vale lembrar, sua carreira musical começou na antiga Escola Técnica Federal onde, durante três anos, fora aluno do saudoso maestro João Carlos Nazareth, pai da cantora Alcione que, na época, não era consagrada e nem tão famosa como nos dias de hoje.

Com o Mestre João Carlos Nazareth, Bebeto adquiriu a técnica instrumental. E também recebeu, ao sair da ETFM, grande incentivo de ‘Seu’ Raimundo Nonato Rodrigues de Araújo, saudoso dirigente do Grupo Musical “Nonato e Seu Conjunto”. Deste grupo, Bebeto participou como percussionista, tocando nos réveillons e carnavais do Clube Recreativo Jaguarema, que funcionava no bairro do Anil.

Também ex-participante do grupo ASA do Maranhão, no qual trabalhava com percussão, Bebeto fez parte ainda do Mocoroca, grupo de samba do Centro de Cultura Negra (CCN), fundado por Nilson Pastor, Maisena, Moisés, Benízio Santos Rodrigues e outros.

Com o afastamento temporário de Iguarajara, o Guará, da bateria Bebeto desde dezembro de 1986 estava na direção da bateria fazendo os ensaios iniciais do bloco. Em janeiro de 1987, em função de problemas surgidos com Guará, Mestre Bebeto acabou ficando mesmo na regência da bateria do Akomabu.

Pois bem: 2024 vai ser um ano repleto de celebrações. Acho que as novas gerações que estão chegando ao Movimento Negro precisam saber do talento de pessoas super valorosas que fazem parte da história destes 40 anos do Bloco Akomabu.

E foi assim, com o coração cheio de saudades, que resolvi escrever esta singela crônica para render minhas homenagens a estes ilustres personagens do Movimento Negro do Maranhão:

 

Viva Mestre Bebeto!

 

Viva Mestre Iguarajara!

Viva Mestre Sabará!

Viva Mestre Eliezer!

Viva Mundinha Araújo, nossa eterna matriarca do CCN e do Akomabu!

Médico hematologista fala sobre sintomas, cuidados e tratamento da hemofilia

O médico hematologista Yuri Nassar destacou a importância do Hospital Universitário da UFMA no atendimento a hemofílicos

Em entrevista ao programa ‘Diário da Manhã’, da Rádio Assembleia (96,9 FM), nesta quinta-feira (4), o chefe da Unidade de Hematologia e Hemoterapia do Hospital Universitário da UFMA, Yuri Nassar, fez uma explanação sobre sintomas, cuidados e tratamento da hemofilia.

Entrevistado pelo jornalista Ronald Segundo, o hematologista Yuri Nassar destacou a importância do Hospital Universitário da UFMA no atendimento a hemofílicos. Ele explicou que a hemofilia é uma doença genética que causa desorganização no mecanismo de coagulação do sangue. Na maioria dos casos, as mulheres carregam o gene por ser uma patologia ligada ao cromossoma sexual X. A mulher não desenvolve a doença, mas os filhos homens manifestam a hemofilia.

Segundo Yuri Nassar, por ser uma deficiência de coagulação, o portador pode apresentar sangramento em qualquer local do organismo. Porém, os sangramentos nas articulações são os mais frequentes e trazem mais complicações causando atrofias nas articulações do joelho, calcanhares, ombros, etc.

Yuri Nassar explicou ainda que existem dois tipos de hemofilia: a do tipo A, que ocorre por falta do fator VIII de coagulação; e a do tipo B, que é ocasionada pela ausência do fator IX. A doença ainda pode ser caracterizada de acordo com a quantidade do fator que está em deficiência no sangue. É dividida como leve (fator acima de 5%), moderada (entre 1% e 5%) e grave (menor que 1%). O tratamento consiste na reposição do fator de coagulação específico para cada tipo. O medicamento tem distribuição gratuita pela rede SUS.

Durante a entrevista, Yuri Nassar destacou a importância de conscientizar a população sobre a doação de sangue. Ele disse que, para chamar a atenção para esse tema tão importante, a Unidade de Hematologia e Hemoterapia (UHH) do Hospital Universitário tem incentivado campanhas para doação de sangue.

“Considerando os baixos índices de doações de bolsas de sangue, que refletem diretamente nos estoques da UHH, é imprescindível a busca por estratégias que incentivem a reflexão e compreensão do ato de doar, bem como a importância de tornar-se um doador voluntário de sangue”, afirmou o hematologista e chefe da UHH, Yuri Nassar.

“A doação de sangue é um ato voluntário, altruísta, com o qual uma pessoa consegue salvar até quatro vidas com uma única doação, pois ela pode gerar até quatro hemocomponentes, que são plaquetas, hemácias, plasma e crioprecipitado. Esses hemocomponentes são utilizados no tratamento e manejo de diversas condições de pacientes tanto hospitalizados, quanto em contexto ambulatorial, nas mais diversas doenças”, explicou.

Segundo o hematologista, as taxas do Hospital Universitário, por mês, ultrapassam 600 transfusões sanguíneas. “Isso requer uma atenção da comunidade de São Luís para que os pacientes não tenham uma desassistência por falta desse material tão precioso, que é o sangue. Temos várias cirurgias, vários pacientes graves complexos, que são os grandes beneficiados com a transfusão, auxiliando na recuperação e na sua saída do hospital”, reforçou.

“A doação de sangue é um ato simples, com baixos riscos de contaminação, baixos riscos relacionados a qualquer tipo de infecção e que não gera danos ao doador, pois ele vai produzir normalmente as suas células sanguíneas, repondo tudo aquilo que doou”, ressaltou Yuri Nassar.

Nery Mendonça faz no sábado o primeiro lançamento literário de 2024 em São Luís

O primeiro grande lançamento literário em São Luís já tem data marcada: será no próximo sábado, dia 6 de janeiro, às 19 horas. O evento acontecerá na Associação Maranhense de Escritores Independentes (AMEI), no Shopping São Luís.

Trata-se do livro “Tudo Azul de Bolinhas Brancas”, escrito por Nery Mendonça. Esta obra, baseada em depoimentos de Raimunda Mendonça, é um testemunho de fatos históricos marcantes como as passagens por São Luís do vitorioso revolucionário de 30, Juarez Távora, de Vargas, de Chateaubriand, da nave Graf Zeppelin e de eventos que ficaram na memória da velha cidade, como a Greve de 1951.

O livro narra as experiências vividas por cinco gerações em seus contextos, desde o Médio Xingu até São Luís, passando por Belém e Fortaleza. Trata-se de uma verdadeira saga de uma personagem cujos ancestrais, pelo lado da mãe, assistiram a mescla de um pai branco e a esposa indígena na realidade de fronteira entre o Pará e o Amazonas, em pleno ciclo da borracha.

Era a época em que se vivenciavam as durezas da vida dos pioneiros na exploração da borracha em ambientes naturais, povoados por indígenas inamistosos e animais selvagens e, pelo lado paterno, um cotidiano rural dos campos de Viana, onde a mistura entre o português e negra era um verdadeiro tabu.

Durante o lançamento, haverá a apresentação de um curto documentário e apresentação especial de cantores locais rememorando as belas canções que eram as preferidas da homenageada Raimunda Mendonça.

Nery Mendonça, paulista de nascimento e cidadã ludovicense, graduou-se em pedagogia e museologia, e mestranda em artes, patrimônio e museologia pela UFPI, fundadora do Ecomuseu Sitio do Físico e membro do Conselho Internacional de Museus (ICOM).

Mora no Maranhão há 43 anos, onde se inseriu no ambiente cultural e museológico da cidade, com participação nos movimentos socioambientais.

Com 47 votos favoráveis, Senado aprova Flávio Dino para o STF

Flávio Dino comemora aprovação na CCJ, entre os senadores Davi Alcolumbre e Weverton

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (13) a indicação do senador licenciado e atual ministro da Justiça Flávio Dino para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A votação secreta terminou com 47 votos a favor e 31 contrários, além de 2 abstenções. O relator da indicação presidencial (MSF 88/2023) foi o senador Weverton (PDT-MA). O próximo passo será a posse do indicado no STF. Dino ocupará a vaga aberta com a aposentadoria de Rosa Weber.

Durante o dia, Dino foi sabatinado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) por mais de dez horas e recebeu 17 votos favoráveis e 10 contrários. Durante os debates, a oposição se concentrou na carreira política de Flávio Dino, criticando sua atuação partidária e sua gestão no Ministério da Justiça. Dino garantiu que seu trabalho como ministro do STF não terá viés político e defendeu a presunção de constitucionalidade das decisões do Congresso. Mas disse também que não terá “preconceito” de dialogar com a classe política.

“Eu não terei nenhum medo, nenhum receio e nenhum preconceito de receber políticos e políticas do Brasil, porque Vossas Excelências são delegatários da soberania popular. Independentemente das cores partidárias, terão idêntico respeito, como assim fiz na minha vida inteira”, disse na sabatina.

Na votação no Plenário, o relator elogiou a indicação feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e destacou a carreira do indicado.  “Estivemos desde cedo na CCJ, uma longa sabatina, onde tivemos a oportunidade de testemunhar o que já tínhamos relatado e tirarmos todas as dúvidas sobre o notável saber jurídico e a reputação ilibada. Ficou muito claro que ele sabe se conduzir conforme a tarefa que lhe é delegada durante a sua vida pública”, disse Weverton.

Já Magno Malta (PL-ES) criticou a escolha e afirmou que Dino “muda de posição, mas não de time”: “Estamos levando para o Supremo um militante de esquerda mais uma vez. Ele disse que mudou de posição: de atacante para goleiro. Mudou de posição, mas não mudou de time. O time dele é o time de esquerda”.

Votação apertada

O placar no Plenário (47 a 31) foi apertado e superou ligeiramente a indicação com a menor diferença de apoios dos últimos anos, na comparação com as indicações dos atuais ministros da Corte.

A diferença de votos no Plenário para a indicação de Dino foi de 16. A indicação com placar mais apertado foi a do ministro André Mendonça, indicado no governo de Jair Bolsonaro, que registrou diferença de 15 votos. Mendonça também recebeu a maior votação contrária (32). O que recebeu o menor número de votos favoráveis desde a redemocratização foi Francisco Rezek, indicado por Fernando Collor, em 1992: 45 votos.

Indicação e relatório

Neste tipo de matéria (MSF 88/2023), o relator analisa se a mensagem presidencial atende a critérios objetivos definidos pela Constituição. No caso dos ministros do STF, a Carta Magna exige mais de 35 anos e menos de 70 anos de idade, notável saber jurídico e reputação ilibada.

Na leitura do relatório na CCJ, Weverton destacou a atuação de Flávio Dino como juiz federal, parlamentar e ministro de Estado. “Alguém que teve experiências exitosas no exercício de funções dos três Poderes da República, [mas] nunca se afastou do mundo jurídico”. O senador também mencionou a atuação parlamentar de Dino. “Quando deputado federal, apresentou diversos projetos de lei que se transformaram em normas jurídicas, dentre os quais podemos destacar as leis que regulamentaram a ação direta de inconstitucionalidade por omissão e o mandado de injunção”, salientou.

Biografia

Formado em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) em 1990, Flávio Dino de Castro e Costa tem 55 anos. É mestre pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) com a dissertação Autogoverno e Controle do Judiciário no Brasil, em que propôs a criação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Foi professor da UFMA e da Universidade de Brasília (UnB).

Em 1994, passou em primeiro lugar no concurso para juiz federal, vinculado ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região. Foi presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) entre 2000 e 2002 e permaneceu no Judiciário até 2006, quando pediu exoneração para se candidatar a deputado federal.

Atuou como parlamentar entre 2007 e 2010, antes de assumir a presidência da Empresa Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur). Em 2014, foi eleito governador do Maranhão e reeleito quatro anos depois. Em 2022, desincompatibilizou-se do mandato para concorrer ao Senado, e foi eleito com mais de 62% dos votos válidos. Nomeado ministro da Justiça e da Segurança Pública pelo presidente Lula, Dino licenciou-se do mandato de senador.

Senadores no STF

Flávio Dino é o primeiro senador indicado para ministro do STF desde o ano de 1994. Ele se juntará a outros 12 ministros do Supremo que também tiveram assento na Casa. Antes dele, o último senador indicado ao STF havia sido Maurício Corrêa (1934-2012), eleito pelo DF e sugerido à Casa pelo presidente Itamar Franco. Corrêa tomou posse no cargo em dezembro daquele ano.

Suplente

Com a posse de Dino no STF, sua primeira suplente e atual senadora Ana Paula Lobato (PSB-MA) garantirá uma vaga fixa no Senado até 2030. Ela assumiu a função no início do ano em razão da posse de Flávio Dino no cargo de ministro. (Agência Senado)

Deputada Ana do Gás faz balanço positivo de sua atuação parlamentar em 2023

A deputada Ana do Gás fez balanço do ano legislativo na sessão plenária da manhã desta terça-feira

 

A deputada estadual Ana do Gás (PCdoB) avaliou positivamente, na sessão plenária desta terça-feira (12), sua atuação parlamentar em 2023. De acordo com a parlamentar, seu terceiro mandato é um reconhecimento da população ao seu trabalho político em prol do Maranhão.

“Agradeço aos maranhenses que nos concedeu mais um mandato. Agradeço a Deus, também, por concluirmos mais um ano legislativo, estando nas nossas atividades municipais, enfrentando os nossos desafios, os problemas do dia a dia, mas com fé em dias melhores”, disse.

Ana do Gás afirmou ainda que o processo político não é fácil. “Fazer política, principalmente para nós, mulheres, é desafiador. Mas estarmos aqui celebrando um ano de conquista, desafios e trabalho”, declarou.

Além disso, ela parabenizou os colegas parlamentares por defenderem suas pautas e lutaram para garantir melhorias para o Maranhão. “Aproveito para agradecer também ao nosso governador Carlos Brandão por todo o empenho que teve durante esse ano, com toda a atenção que nos deu, e ainda nos dá, atendendo nossos pedidos mesmo diante de um ano desafiador”, disse.

Ainda em seu discurso, a deputada parabenizou os servidores da Casa pelo acolhimento. “Agradeço a nossa presidente, Iracema Vale, que é a primeira mulher a presidir a Assembleia Legislativa em 188 anos, por todo apoio. Nós, colegas deputadas, que já estamos aqui, estamos junto com ela fazendo história no Maranhão e no Brasil”, afirmou.

Por fim, Ana do Gás desejou um feliz ano novo a todos. “Que 2024 seja um ano próspero e de muitas conquistas aos maranhenses”, frisou.

Deputada Dra. Vivianne manifesta pesar pela morte de vereador do município de Balsas

A deputada Dra. Vivianne destacou a trajetória de trabalho do vereador Mauro César Nunes Moraes

A deputada Dra. Vivianne (PDT) destacou, na sessão plenária desta terça-feira (12), requerimento solicitando o envio de Manifestação de Pesar pelo falecimento do vereador Mauro César Nunes Moraes (PP), da cidade de Balsas, vítima de parada cardíaca, no domingo (10).

Dra. Vivianne lembrou a trajetória de Mauro César, ressaltando o trabalho em prol da população de Balsas. “Tive o prazer de trabalhar com esse homem, enquanto estava na Secretária de Assistência Social, onde ele prestou serviços, por 14 anos, especialmente no Programa Bolsa Família, onde sempre trabalhou pela população daquela cidade, principalmente pelas pessoas mais vulneráveis”, declarou.

A parlamentar relatou que Mauro César exerceu o mandato na Câmara Municipal por dois anos e 11 meses. Também destacou que ele era natural do município de Loreto e foi aprovado em concurso realizado pela Prefeitura há alguns anos, passando a trabalhar em Balsas.

“Queria externar nossos mais profundos sentimentos de pesar e solidariedade aos amigos e à família. Nesse momento de dor, este Poder Legislativo expressa sua imensa gratidão a toda trajetória de luta em prol dos mais necessitados, desejando que descanse em paz”, declarou.